Skip to content

estamos a mil

fevereiro 22, 2017
Dessa janela anoitecida acompanho teu caminhar leve:
distanciamento escorregadio, continuo e imutável.
Você sabe das páginas arrancadas em dias inquietos, vento na esquina vazia
(sem pele macia ou sandália amarrada)
Por dentro dessa roupa manchada, te fazer lembrar dos banho de chuva. quentes. dentro da noite.
No futuro se rebentariam em ondas e ondas de baldes de agua fria.
antes de esquecer tudo.
esse plano trocado ficou assim, enfeite bonito atras dos teus olhos
ou perdido dentro das prateleiras do pensamento
(do silêncio do caos)
talvez eu possa dizer que você pensou demais, racionalizou demais, que apesar do meu desconcerto,
tudo parece estar bem, mesmo com essa porta fechada com dor.

fevereiro 22, 2017

todas as historias
nao contar com as coisas
controlar previsoes espontaneas
instantes dissipadores
ondas sucessivas
o instante que nunca comeca, era a juventude
fazer minha propria roda girar
ser o gene e o engenho

as vezes tenho a sensação de que estamos burlando distâncias

novembro 24, 2012

Esses suspiros longos que damos ao olhar a caixa de email vazia…

Os espaços entre soluços pontuam as frases mais severas:
– Você esteve ausente
– Esta é nossa melhor fantasia
– Vamos dormir

Separei o tempo com essas pausas mas os instantes ficam mais demorados quando invado teu escritório e aponto, teatralmente, um norte para nossos rumos.
Suposições de dominio.

Não trançamos malhas de contenção e isso permitia que nós escorregássemos por entre todos os desejos, sem reconhecermos que existiam traços de sadismo nessa aventura.

Que sensação estranha essa de precipitar teu sonhos.

Está confirmado, foi escrito na história dos homens, que se faz necessário perpetuar sua espécie com o mão fresca dos sonhos antigos, o hábito das grandes jornadas, o peito desbravador e o Corpo.

Sim, estamos nos dias que correm pelos janeiros desse Rio

julho 2, 2012

Todos nós já sabemos, é impossível o mesmo banho no mesmo rio e como me parece ridículo pensar demais sobre isso. Em tardes como a de hoje eu poderia fazer coisas comuns e me acolher nos abraços de alguns amigos, mas é um dia de festa e existem muitos braços para interagir.
Pensando bem, acho que nem todos batalham pela aceitação alheia, mas é comum da balbúrdia chamar atenção com movimentos ousados. Palavras diferentes também.
Você sabe, toda realização está muito distante dos meus objetivos, pois cada dia que acordo eu penso em algo diferente ou alimento os objetivos de ontem com tanta substância que eles crescem rápidos e já não cabem mais nas roupas de hoje.

Não é suficiente pra me prender todo esse concreto embaixo dos teus pés. Nos meus sonhos as cores são muito mais intensas e quando acordo é todo esse céu acima da tua cabeça. É certo, amanhece.
Ontem, depois de um dia confuso, resolvi catalisar toda raiva em um movimento controlado. Li sobre coisas inúteis,fiz exercícios de respiração, resolvi problemas matemáticos do nível fundamental e organizei o meu dia. Essas ações concentram todas as partículas que eu despejaria sem nenhum sentido. Como um ataque de fúria. Em outras línguas eu não consigo ser muito clara, na minha também não e o silêncio acaba sendo muito significativo.
Eu olho para o espelho e abro bem os olhos e não acontece nada, depois abro bem a boca e tenho a sensação de que sou um peixe e vejo tudo muito melhor.
Quando você me esperava chegar em casa de banho tomado e ficava vendo tv, eu me sentia muito importante, mas isso passou e agora desabotôo minha camisa com calma e um olhar um pouco vago.

Quando nossas canções desafinam

maio 21, 2012

Acontece quando um ruído interrompe a sua voz e mesmo que você esteja parada no centro da sala, eu ouço como se você estivesse gritando, muito mais alto que as buzinas
dos carros lá fora.
Aquilo é toda a dor ou ira que as coisas provocam e sua passividade é agressiva pois você parece que vai aceitando e se machucando com tudo. Você é muito exigente e acaba não entendendo que ser exigente te faz perder muitas coisas: o imprevisível, por exemplo.

Enquanto você permanece de costas, eu vou chegar e fechar seus olhos brincando de te dar um susto, mas você vai se assustar de verdade e brigar de verdade e vamos passar umas duas horas sem se falar.

Dezessete andares acima do chão, 2 de janeiro de 2012

março 31, 2012

 

 

Deitada na cama até tarde – só mais um pouquinho… Antes de acordar sonho novamente uma coisa rápida, não lembro mais quando abro os olhos.

Faltam 364 dias para o ano acabar, mas ainda não precisamos nos afligir com isso.

Sás que foi num dois de janeiro que caiu Granada. Assim, num dia que poderia muito ser de chuva como o de hoje. Os reis católicos vindo, passando por cima dos mouros, assim…

Não vou me apegar a esses detalhes, pois parecemos estar felizes, pelo menos mais confiantes já que temos tantos dias para inventar coisas novas.

Agora, não quero que corras desesperadamente para me alcançar mais rápido, temos esses terrenos inférteis onde podemos descansar as ideias. E dormir de olhos fechados.

Eu já estava ali perto das barcas quando você pensou que eu poderia voltar. Não deu tempo de ouvir esse pensamento.

Duas da tarde, dentro da minha casa, meu olhar ficou rolando pela escada e mesmo sem os gatos as coisas pareciam miar…

Deitada na cama até tarde – só mais um pouquinho… Antes de acordar sonho novamente uma coisa rápida, não lembro mais quando abro os olhos.

rede instantânea de comunicação privada

fevereiro 29, 2012

foi depois do gtalk

e uma relação de musicas

depois de 117 trocas de e-mails e conversas pelo

whatsapp

.
uma viagem para Argentina

um trabalho desgastante

alguns choros compartilhados

o tempo passou um pouco rápido

.
menos músicas

outro trabalho

mais 240 e-mails enviados, poucas conversas no gtalk

poucas palavras no whatsapp

.
e uma distância

entre 140 caracteres